Posts com tag “Humildade

Humildade de Espírito

Inicio aqui algumas coisas que tenho aprendido sobre o sermão do monte. Os posts serão relativamente grandes porém com ensinamentos riquíssimos que tem mudado a minha vida. Não só aconselho que leia mas que compartilhe com todos que puder.

Estes ensinamentos nos mostram o caráter do cristão. Como devemos ser se realmente desejamos servir e seguir ao Senhor.

Primeiramente estes ensinamentos são para os discípulos de Jesus, todos aqueles que realmente o seguem. Não são limitados aos 12, aos 70 ou às pessoas que estavam presentes ali também, mas a todos. Em segundo lugar, todas as bem-aventuranças são para nós, não apenas uma ou outra. Uma que nos identificamos mais ou menos. Todas elas se aplicam a cada um de nós. Outra coisa é que nenhuma destas características apresentadas é natural ao homem. Ninguém consegue adquiri-las por si mesmo a não ser por Deus.

Grego:

Makárioi hói Ptocói to pneumáti …
Bem-aventurados os pobres de espírito…

Primeiramente temos o versículo 3 que nos diz que Bem-aventurados, felizes ou afortunados (Makarioi) são os pobres como um mendigo (ptocói) de espírito (to pneumati).

Em nossa sociedade as pessoas são conhecidas pelo que elas são, pelo que elas tem e pelo que podem fazer. Quando nos referimos a alguém como pobre de espírito, com certeza não estamos dizendo algo de bom sobre esta pessoa, mas como alguém que não tem caráter, que não tem nada que nos chame atenção. Queremos todos ser ricos de espírito ou elevados espiritualmente ou pessoas iluminadas. Para isso buscamos ser bons, fazer o bem, ajudar os outros, fazer algum trabalho voluntário, fazer doações, etc.

Queremos ser admirados pelos outros. E digo que esta característica que Jesus diz sobre humildade de espírito se compara a ser como um mendigo. Primeiramente digo que ninguém é humilde de espírito. Isto nada tem a ver com ser pobre materialmente ou não. Mas sobre a visão que temos de nós mesmos.

Normalmente superestimamos quem somos. Para os outros somos super rígidos mas conosco sempre somos mais tolerantes. Tanto não somos humildes, que é só alguém nos colocar abaixo de quem somos que aí reclamamos nosso direito.

É só alguém falar para nós que não somos ninguém que vamos fazer de tudo para mostrar quem somos. Quem nunca ouviu aquela pergunta: “Quem é você para fazer isto ou aquilo?”. Outra coisa é a competição que existe no que diz respeito a ter. Sempre querendo mostrar que temos mais do que os outros buscando ostentar isto cada vez mais. E também no que diz respeito a poder. Aí sim. Quando nos deparamos com uma situação em que estamos impotentes ficamos arrasados.

Jesus diz que Afortunados, Ricos, Felizes são os pobres, mendigos, humildes de espírito.

O que será que Ele queria dizer com isto?

Um mendigo é alguém que é dependente. Necessita da ajuda dos outros para sobreviver. Ele não é ninguém perante a sociedade, não pode oferecer nada. Na verdade as pessoas quando passam perto dele viram a cara pois é ruim apenas saber que ele está ali, não é bom de ver.
O mendigo não tem nada, no máximo suas roupas do corpo e algum trapo para se cobrir. Não possui nada de valor consigo. E não pode nada. Ele não tem poder algum. Muitas vezes nem sobre si mesmo sendo entregue a vícios para tentar suportar a realidade de que não é ninguém, não pode nada e não tem nada.

Assim seria o humilde de espírito que Jesus diz. O humilde de espírito é aquele que reconhece que NADA TEM, NADA PODE E NADA É. Ao se deparar com o Senhor, tem consciência do seu estado espiritual.

Contudo as pessoas tem necessidade de fazer algo de bom para tentar justificar quem são. Tentam de todas as formas estar no controle da situação e conquistar sua salvação ou apenas para terem um sentimento de altruísmo. Tudo isto tentando ser pessoas elevadas espiritualmente ou visando estar de bem consigo mesmas. Mas Jesus vem quebrando tudo isto dizendo que precisamos reconhecer que não podemos nada.

Diante disso, lembro-me das pessoas que tiveram algum encontro com Deus na bíblia. Por exemplo Moisés. Moisés foi criado como filho da filha de Faraó na época que o Egito era a maior potencia mundial. Era bem culto e sabia lutar também. Sendo hebreu, aos 40 anos com todo seu vigor tentou libertar seu povo da escravidão do Egito. Não funcionou. E ficou por 40 anos no deserto aprendendo a ser humilde de espírito para então tratar com Deus face a face. Quando Deus o chamou para libertar o povo, Moisés diz que não pode, não é ninguém, para que Deus enviasse outro. Neste contato com Deus, Moisés reconhece quem é. Ali então estava adquirindo o caráter que Deus deseja para nós.

Daniel quando encontrou com Deus caiu no chão sem força alguma. Paulo se dizia o maior de todos os pecadores. Gideão disse que não podia, que era o menor de todos. João caiu no chão como morto. Nos 5 primeiros capítulos do livro de Isaías, vemos o profeta dizendo ai dos idólatras, beberrões, etc. Quando ele vê o Senhor no alto e sublime trono ele clama: Ai de mim!!! E muitos ainda insistem em dizer que estão na sala do trono, ou que viram o Senhor e continuam de pé, se vangloriando de quem são. Acredito que não!!

Quando nos aproximamos do Senhor reconhecemos que não podemos fazer nada por nós mesmos. Que realmente diante de Deus não somos nada e nada temos. A partir daí Deus começa a trabalhar em nós. E a conseqüência disto? Somos afortunados, bem-aventurados porque herdaremos o Reino dos céus.

Só Deus pode mudar nosso modo de viver. O primeiro passo é reconhecer quem somos.

O exemplo para nós de humildade é o próprio Cristo. Você aceitaria ser colocado abaixo do que você realmente é? Se você tivesse todo o poder do universo, fosse a pessoa mais poderosa do mundo, aceitaria dizerem que você tem demônio? Ou seria um simples carpinteiro de nazaré?

Ficaria mudo enquanto alguns líderes discutissem sobre seu destino pensando eles terem poder sobre você? Não defenderia sua integridade quando ela fosse colocada em jogo e você nada fez de errado?

Quando batessem no seu rosto dizendo profetiza quem te bateu, você ficaria quieto?

Não é o servo maior do que seu mestre. Realmente entendemos o que é ser cristão? Praticar verdadeiramente aquilo que tanto pregamos?

Somente podemos crescer espiritualmente quando reconhecermos isto. Só conseguiremos ser usados por Deus se formos humildes de espírito. E isto apenas vêm diante de um relacionamento com Ele, quanto mais próximos dEle mais veremos isto. Contudo pode ser que queiramos nos afastar pois não queremos nos deparar com tal realidade dura, mas continuar floreando fingindo para nós mesmos que tudo está bem quando não está. Mas quando nos deparamos com situações em que o chão abre debaixo de nós, quando percebemos que não temos o controle e que não há pra quem correr pois o dono da situação já não mais é, aí perdemos a esperança. Mas Jesus diz que aquele que reconhece que não tem, mas entrega a si mesmo para o DONO DO UNIVERSO, este é afortunado. Aquele que sabe que não é mas vive para o GRANDE EU SOU, este herdará o reino dos céus. Aquele que reconhece que nada pode fazer mas confia naquele que TEM TODO PODER, este terá sua vida transformada, terá a paz que o mundo não pode dar, será feliz, bem-aventurado, afortunado sendo humilde de espírito porque herdará o reino dos céus.

Bem-aventurados os humildes de espírito porque deles é o reino dos céus.

Fonte:  Blog Somente a Graça


O 1º Mergulho de Naamã, o leproso

II Reis 5:1 a 19

Vemos nesse texto a história de um homem que podia dizer que tinha de tudo; prestigio, dinheiro, fama, e tudo mais que uma pessoa normal sonharia em ter. Era herói de guerra, sua farda estava cheia de condecorações por seus atos de bravura, seu nome ocupava as manchetes de todos os jornais da época.Talvez somente com essa informação já nos seria suficiente para entender a quantidade de barreiras e de preconceitos que esse homem teve que enfrentar até chegar onde chegou. Porém era leproso. Um grande sucesso para o público, e um imenso fracasso pessoal.

Agora o que é essa doença?

A lepra é uma doença transmissível causada por uma bactéria, afeta na maioria dos casos a pele e os nervos. Ela progride lentamente com uma media de um período de incubação de 3 anos. A principal característica de alguém que possui essa doença é a perda da sensibilidade ao calor, e muitas vezes a mutilação de partes do corpo.

Hoje existem remédios que podem trazer a cura desde que diagnosticado em seu começo.
Agora, traga essa doença para o âmbito espiritual. Naamã é a simbologia do estado espiritual de muitos crentes hoje. No mundo espiritual a lepra representa o pecado. E assim como a doença física, o pecado causa morte espiritual que futuramente leva a morte física.

Preste atenção se você ou alguém que você conhece não esta com esses sintomas de lepra:

  • Perda da sensibilidade ao calor (não sente mais a presença de Deus), o fogo e a paixão de Deus não ardem mais. E por mais que Deus faça, não sentimos nada.Ou pior ainda, nos tornamos insensíveis a necessidade alheia, somente conseguimos enxergar nosso próprio umbigo.
  • Manchas no corpo, ou seja, o pecado já esta tão impregnado na pele, que aquilo que a alguns anos atrás era abominável pra mim, hoje se tornou a coisa mais normal do mundo.
  • Torna-se uma doença transmissível, ou seja, já estou tão insensível pras coisas de Deus, que a única coisa que me resta é transmitir meu veneno a outras pessoas.
  • Mutilação de partes importantes do corpo, ou seja, quando estamos insensíveis, e nos tornamos contagiosos, logo vemos que parte do corpo de Cristo começa a ser afetada por nossa causa.

Uma das servas de Naamã havia dito a esposa de Naamã sobre Eliseu. Naamã vai ao seu rei e pede pra que ele mande uma carta ao rei de Israel, provavelmente para autorizar sua entrada em Israel.

O rei de Israel então recebe uma carta do rei Sírio, e como já havia acontecido alguns conflitos entre Síria e Israel, mas estavam em um tempo de paz e colaboração, o rei se desespera por encontrar uma oportunidade de ajudar um antigo inimigo que atualmente era aliado, porém não tinha recursos para isso.

O rei rasga suas roupas com uma mistura de raiva e frustração por não poder ajudar.

Naamã procura Elizeu e ao contrario do que pensava, Elizeu nem o recebeu, talvez porque fosse leproso, e havia uma lei que proibia a qualquer um de ter contato com leproso, tanto que o único relato de alguém que tocou em um leproso foi o de Jesus. Ou pode ser também que Eliseu simplesmente queria mostrar a senhor incrível (comandante) que diante de Deus somos todos iguais e ninguém merece glória a não ser Deus. Por causa das dificuldades que aquele homem possa ter enfrentado para chegar a fama que chegou, Naamã desenvolveu uma soberba muito grande.

O primeiro mergulho de Naamã não o livra da lepra, e sim da sua soberba.

II Crônicas 7:14 diz: ”se o meu povo que se chama pelo meu nome se humilhar e orar e buscar a minha face e se arrepender dos seus maus caminhos, então eu ouvirei do céus perdoarei seu pecado e sararei a sua terra.”

Para que o comandante Sírio pudesse ser curado, o primeiro mergulho foi fundamental, porque foi a prova de total submissão a vontade de Deus revelada através de seu profeta. O que ele queria dizer no versículo 12 que ele conhecia outros rios melhores é porque o Jordão era um rio muito sujo, e para um comandante tão renomado se rebaixar a tanto era uma ofensa. Porém, assim como Deus faz hoje, muitas vezes Deus nos pede algo que fere nosso conceito para provar nossa total submissão a sua autoridade. O primeiro mergulho foi fundamental, porque foi a hora que Deus vence o homem, Deus vence a soberba. Ao final dos 7 mergulhos ele foi limpo, porém o primeiro revela a total dependência do homem a Deus.

Assim como foi com Moisés e o povo hebreu, assim como foi com Josué, Deus espera que dependamos de suas forças, de sua estratégia e de seu poder. O que temos não vale pra Deus. O que somos não surpreende o criador, porem quando nos voltamos a Ele, Ele nos ouve, e estende suas mãos poderosas. Todo reconhecimento humano não pode se comparar com a Gloria que Deus quer revelar em sua vida.

Atreva-se a crer dê seu primeiro mergulho. Livre-se da soberba,  do orgulho,, arrependa-se e permita que Deus te vença para que Ele revela sua vontade que é boa, perfeita e agradável.

[fonte]


O Super Crente

Nós vivemos tempos de apostasia e por outro lado permeia na cristandade uma idéia que devemos ser super cristãos. Nos acostumamos com a idéia de super heróis desde a nossa infância. Este é um dos grandes males que encontramos, que se o Senhor não desarraigar, será de grande sofrimento para nós.

Não somos fortes, nem invencíveis, nem capazes, e nem sábios em nós mesmos. Antes, somos loucos, fracos, insensatos, ignóbeis, desprezíveis, isto é, somos menos do que nada, como uma coisa vã (Isaías 40.17). Mas foram estes que o Senhor escolheu para neles mostrar o seu poder e ser glorificado: “Mas Deus escolheu as coisas loucas deste mundo para confundir as sábias; e Deus escolheu as coisas fracas deste mundo para confundir as fortes; e Deus escolheu as coisas vis deste mundo, e as desprezíveis, e as que não são, para aniquilar as que são; para que nenhuma carne se glorie perante ele” I Coríntios 1.27-28.

Somos menos do que nada, mas gostamos de nos gloriar em nossa justiça e santidade; em nossa saúde e prosperidade. Somos como uma coisa vã, mas nos gloriamos em nossa fé, e em nossos conhecimentos e revelações da Palavra. Tanto é assim que julgamos ou desprezamos aqueles que não a possuem.

Senhor, tenha misericórdia de nós. Abra os nossos olhos para vermos quão miseráveis somos em nós mesmos, e quão ricos somos em Cristo. Abra os meus olhos para que me glorie somente naquele que me mantém em pé e imaculado diante da Sua Glória, a quem pertence toda a glória, majestade, domínio e poder, antes de todos os séculos, e agora, e para todo o sempre. Amém.

Se formos super cristãos, jamais necessitaremos dos outros irmãos, da Sua Igreja. Ao contrário, seremos nós o referencial para os outros. Somente na Igreja, na soma da vida de Cristo em cada um dos irmãos, é que encontraremos a perfeição (Romanos 12.3-8). Senhor abra os meus olhos para que eu veja quanto necessito de Ti nos meus irmãos.

Se temos encontrado alguma força, fé, sabedoria, santidade ou qualquer coisa semelhante, em nós ou em qualquer outro irmão não é nós ou ele, mas Cristo em nós e nele. Caso isto não seja claro a nós, o Senhor nos levará, muitas vezes por vias dolorosas, para que conheçamos a nossa fraqueza.

Graças ao Senhor por nossa loucura, fraqueza, e insensatez, porque é em nossa fraqueza que o poder de Deus se aperfeiçoa. É em nossa impotência que Cristo é glorificado. É em nossa impossibilidade que a Sua Graça nos basta. Amém. Bendito seja o nosso Senhor Jesus Cristo, fortaleza e vida, minha e sua meu irmão.

[Fonte]